Infracommerce

B3
svg2

Comércio eletrônico: o que esperar para 2022

Comércio eletrônico: o que esperar para 2022

Neste artigo, revelamos o que esperar para 2022 quando o assunto é comércio eletrônico. Para saber mais sobre o tema, leia o texto completo!

Os hábitos de compra do consumidor estão mudando constantemente, mas os últimos dois anos transformaram as tendências como nunca antes. O comércio eletrônico tornou-se a fonte principal para comprar itens essenciais, navegar por entretenimento e combater o tédio durante o auge da pandemia e continuou a reformular a experiência de compra e venda em 2021.

Com os protocolos da COVID sendo seguidos, juntamente com vacinas e reforços, pode-se dizer que a vida lentamente volta ao’’ normal’’. Mas e o comércio eletrônico? Quais tendências de compras on-line desaparecerão e quais surgirão à medida que estamos em 2022?

Comércio eletrônico: inovações e tendências para 2022

As inovações de compras estimuladas pelo COVID permanecerão e prosperarão.

As compras online não vão a lugar nenhum.

Provavelmente veremos um alto nível contínuo de gastos com comércio eletrônico em 2022.

Afinal, por quê? Confira abaixo aspectos que garantem a estabilidade do comércio eletrônico.

1. O comércio eletrônico é prático!

Em primeiro lugar, a prosperidade do comércio eletrônico foi possibilitada pela web, juntamente com a conveniência de fazer compras online. Os consumidores adoram a facilidade de comprar em um site e receber o item na porta de sua casa. Sua preferência por evitar qualquer aborrecimento e obter seus produtos de forma rápida e eficiente resultará em inovações que surgiram durante a pandemia, como o aumento de compra online e retirada na loja. Com isso, certamente permanecerá como modo de compra por muito tempo após o fim do COVID.

Mesmo antes do isolamento social, as pessoas estavam cansadas de lidar com longas filas e grandes multidões ao fazer compras. A retirada na loja eliminou essa dor de cabeça, permitindo que os clientes fizessem pedidos on-line e aguardassem até o momento de retirar a compra, fazendo que evitassem o fluxo de pessoas esperando para fazer pagamento e sair da loja.

2. O comércio eletrônico desempenhará um papel fundamental para alcançar os consumidores mais jovens

A geração Z e a geração do milênio gastam em média 4,5 horas por dia e 3,8 horas por dia nas mídias sociais, respectivamente. Com tanto tempo gasto em sites como Instagram e TikTok, ambos os dados demográficos são quase exclusivamente acessíveis em plataformas sociais. Na verdade, 51% dos jovens de 18 a 25 anos “descobriram” produtos que compraram em sites de mídia social. Marcas e varejistas que esperam expandir para consumidores mais jovens também precisam estar lá. Mas não será suficiente ter presença; marcas e varejistas precisam adotar o comércio social para atrair consumidores mais jovens.

O comércio social — a compra e venda de mercadorias diretamente em uma plataforma de mídia social — atende aos consumidores mais jovens onde quer que estejam, fornecendo o processo de compra no aplicativo que estão usando. Quando veem um item de que gostam, podem comprá-lo sem serem enviados ao site do varejista. Isso permite uma experiência perfeita para o cliente, livre de interrupções e outras barreiras à venda. Marcas e varejistas podem esperar um aumento na receita de consumidores mais jovens, incorporando o comércio social em suas estratégias de vendas.

3. Os marketplaces terão um crescimento contínuo

Em 2022, veremos os mercados continuarem a passar por um crescimento explosivo, com mais varejistas optando por vender em plataformas existentes ou embarcar na criação de uma própria.

Embora a vacina tenha incentivado os consumidores a voltarem a fazer compras pessoalmente, um subconjunto ainda prefere a conveniência de fazer compras em casa. Ao expandir para os marketplaces de comércio eletrônico, as empresas podem alcançar esse grupo e fornecer a eles catálogos massivos de produtos que talvez não tenham nas lojas. Os marketplaces também podem dar às marcas e varejistas a chance de experimentar novos mercados a um custo relativamente baixo, em comparação com a abertura de uma loja física, porque tudo é online. Se marcas e varejistas não estiverem em um mercado no próximo ano, correm o risco de perder um público-chave e mais receita.

As compras online são um acessório permanente para os consumidores. Ao antecipar tendências como retirada na loja e marketplaces, marcas e varejistas podem entrar em 2022 sabendo onde focar e aprimorar suas estratégias de comércio eletrônico para os consumidores.

4. Fechando a lacuna de experiência

Tradicionalmente, há uma discrepância entre o que os consumidores desejam e o que as empresas e organizações oferecem. Os clientes querem que suas marcas os vejam como são, por quem são e do que precisam. É importante ressaltar que a imagem do público está mudando: poder de compra e influência estão escapando de cortes estreitamente definíveis, estendendo-se a influencers com experiência digital, idosos com mais renda disponível, consumidoras financeiramente capacitadas e mercados globalmente alcançáveis. As empresas precisam aprender a explorar a mudança de paradigmas e a dinâmica do poder, evitando deixar de lado os clientes de longo prazo existentes. A capacidade de comunicar mensagens pessoais através de fronteiras, gerações e circunstâncias não é tarefa fácil – e requer mais do que simples coleta de dados.

A verdade é que simplesmente acumular informações não é mais suficiente. Uma das maneiras pelas quais as empresas podem começar a lidar com isso é introduzindo a unidade desde o início: fazendo mais conexões, criando menos barreiras. Na prática, isso significa que tudo, desde sua pilha de tecnologia até suas operações de negócios, precisa atingir novos níveis de cooperação eficaz. A inteligência deve ser capaz de fluir desde o desenvolvimento e design do produto até o marketing, com insights coletados e então retroalimentando a cadeia de suprimentos, otimizando e integrando constantemente novas informações. Ferramentas que ajudam as empresas a agregar e centralizar seus dados – evitando assim a formação de silos de dados desconectados – serão vitais para ajudar as empresas a fornecer aos usuários em todo o mundo as experiências que procuram.

5. Comércio eletrônico? É agora ou nunca!

Enquanto a palavra ‘instantâneo’ em um contexto digital antes se referia principalmente a mensagens, ‘instantâneo’ agora permeia, se não define, toda a experiência online.

A pandemia acelerou esse processo, exemplificado por empresas que fornecem entregas de supermercado ultra rápidas, enquanto as transações nos domínios bancário e imobiliário ocorreram o mais próximo possível do tempo real. Já se passaram sete anos desde que o Google começou a falar sobre ‘micro momentos’ – aquele impulso de coceira que todos nós temos de alcançar nossos telefones, tablets ou laptops para responder a uma pergunta ou necessidade repentina, mas urgente, que se infiltrou em nosso cérebro – e ainda assim, as empresas estão falhando em realmente capitalizar sobre isso.

Os clientes procuram respostas nos primeiros segundos de sua pesquisa e nos primeiros cinco minutos de uma consulta. Como o desenvolvimento tecnológico e as velocidades de processamento estão cada vez mais confiáveis, o ônus é migrar do dispositivo para a empresa para atender às expectativas, e qualquer atraso é considerado uma falha do negócio por não atualizar seus negócios, estoque ou conteúdo apropriadamente. Em alguns casos, ir mais longe e enviar mensagens de forma proativa pode atingir o ponto – desde que permaneça pessoal, relevante e, o mais importante, valioso ao consumidor: novos produtos específicos, informações sobre produtos adquiridos e atualizações urgentes. Para que as empresas atendam a essas expectativas, elas precisam garantir que não apenas sua tecnologia esteja fornecendo e integrando continuamente atualizações em tempo real, mas também que estejam agindo com base nessas informações de forma eficaz.

6. Tecnologia é o caminho até o consumidor

Enquanto as comunicações das empresas com o público costumavam ser unilaterais, seguindo uma abordagem “um-para-muitos” – de anúncios em jornais a anúncios de TV e rádio – os caminhos da comunicação se abriram, dando aos consumidores acesso sem precedentes às empresas que os atendem. O aumento do comércio eletrônico, impulsionado pela pandemia, enfatizou ainda mais essa dependência dos canais digitais. Fundamentalmente, não há um canal para dominá-los todos: os clientes alternam entre plataformas e aplicativos: e-mail, bate-papo ao vivo online, rota da mídia social, etc.

De acordo com especialistas, até 80% das interações entre clientes e empresas agora são digitais, com empresas como WhatsApp, Pinterest e Instagram expandindo recursos para atender à demanda com respostas personalizadas, e recusar qualquer uma delas perderia uma base de usuários considerável.

Isso precisa mudar: o digital não pode mais ser uma reflexão tardia, ele precisa ser integrado desde o primeiro passo, com as ferramentas e a tecnologia certas para facilitar as experiências omnicanal, permitindo rastreamento e medição de desempenho.

As experiências digitais e sociais estão inextricavelmente interligadas. As empresas devem fazer investimentos tecnológicos sólidos em 2022, para atender às demandas dos consumidores. Somente oferecendo os melhores serviços eles podem esperar se destacar em um mercado saturado, um desafio cada vez mais complexo. Não há como voltar atrás: a imersão digital é necessária para a sobrevivência.

Gostou do conteúdo?

Continue nos acompanhando para mais conteúdos como este. Não deixe de navegar pelo site da Infracommerce e conhecer nossas soluções.

Generic selectors
Palavras exatas
Pesquise por título
Pesquise por conteúdo
Post Type Selectors

Digitalize seu Go-to-Market

Faça parte do maior ecossistema de Full Commerce da América Latina!

Como automatizar a comunicação com chatbots

As empresas passaram a reconhecer a importância do atendimento ao cliente e o que ele…

Entenda de uma vez por todas como fazer cross selling

Neste artigo vamos explicar o que é, como funciona e como implantar o cross selling no seu…

Entenda os 8 Ps do Marketing Digital para aplicar em seu negócio

Conheça os 8 Ps do marketing de um jeito simples e prático. Preparamos este artigo com todo…

Fale agora com
nossos
especialistas

Ao preencher o formulário e clicar no checkbox, você expressamente declara que está ciente de que a nossa empresa poderá realizar contato com você via e-mail, telefone, WhatsApp ou qualquer outro meio e enviar comunicações para o fim exclusivo de apresentar conteúdos, produtos e serviços relacionados à Infracommerce.